Só para destemidos: pelos trilhos das aldeias históricas

Texto Paulo Rolão   Fotografia Pedro Martins 

Piódão - O elemento aquático está bem presente no  vale onde corre a ribeira do Piódão, que proporciona a existência de uma praia fluvial. A aldeia espraia-se encosta acima. A praia recebeu este ano a Bandeira Azul.

Camisolas garridas, calções, calçado, boné, mochila às costas e bastão nas mãos. Uns caminham a passo, outros avançam a ritmo invejável. Um pouco mais à frente, um grupo de ciclistas visivelmente eufórico ultrapassa os caminhantes, empoleirado em bicicletas  e deixando as marca dos pneus impressas no solo empoeirado.

À vista desarmada, o que os distancia, além das BTT, são as camisolas térmicas e os capacetes. Mas une-o algo mais profundo: o gosto pela comunhão com a natureza, a paixão pelos recantos mágicos do território português, o culto do exercício físico, a definição e superação de metas autopropostas. Quando se pode fazer tudo isto no contexto de aldeias históricas que o tempo não conseguiu apagar, há um impulso para sair da cidade e partir à descoberta.

Ciclovia - Uma das etapas da rota termina em Almeida, e é de bicicleta que melhor se percorrem as ruas intricadas e praças da vila.

 De Belmonte a Almeida, este território resistiu à voragem do tempo e esperou os séculos necessários para poder ser apreciado como merece – a pé, a pedalar ou, ocasionalmente, de automóvel, nas ligações indispensáveis do território da Grande Rota 22, um conjunto de trilhos e percursos imaginado para unir fisicamente a experiência das Aldeias Históricas de Portugal.

A GR22 pode começar virtualmente em qualquer aldeia. É como a correia transportadora de um aeroporto – o viajante pode entrar em qualquer ponto e concluir uma volta completa, desde que venha munido de vontade, sentido lúdico, espírito de grupo e desejo de novas experiências. O prémio de participação é delicioso: o desfrute da excelência gastronómica da região e o merecido descanso em unidades de alojamento que preenchem todos os gostos e orçamentos. Quanto ao resto… basta apenas dar força aos músculos.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.