Colibris: mais rápidos que a própria sombra

Desloca-se tão depressa que o olho humano só vê asas desfocadas e uma mancha de cor a pairar. Congelado no tempo por câmaras de alta velocidade, o colibri desvenda os seus segredos.

Texto Brendan Borrell   Fotografia Anand Varma

 

Um Calypte anna em cativeiro alimenta-se enquanto paira diante de uma ilusão óptica numa experiência que ilustra como o voo do colibri depende das percepções visuais da ave. Quando esta espiral rodar para criar a ilusão de que a ave está a deslocar-se para a frente, a ave passa a  voar em “marcha atrás” e o seu bico desliza para fora do comedouro. Fontes: Benny Goller e Doug Altshuler, Universidade da Colúmbia Britânica, Vancouver.

Em busca da ave mais pequena do mundo, viemos até ao quintal de uma casa cor-de-rosa na vila cubana de Palpite. O ornitólogo Christopher Clark tem o automóvel repleto de equipamento para descarregar: câmaras, equipamento de som, uma gaiola transparente em forma de cubo. Minutos depois de chegar nesta manhã de Maio, Christopher já anda às voltas. Está a tentar seguir o trajecto de uma bala com asas enquanto ela foge de uma flor para outra. Quando o colibri pausa para sugar combustível açucarado das flores, as suas asas continuam a bater. É uma mancha acinzentada demasiado rápida para ser processada pelo olho humano.

Quando o colibri pausa para sugar combustível açucarado das flores, as suas asas continuam a bater. É uma mancha acinzentada demasiado rápida para ser processada pelo olho humano.

O Mellisuga helenae (literalmente, a ave mais pequena do mundo) é um anão, mesmo nos padrões liliputianos do colibri. O seu corpo verde pesa um pouco mais do que uma amêndoa. É conhecido localmente como zunzuncito, o pequeno zumbido, devido ao som que faz, e é ainda mais pequeno do que o seu primo zunzun, o Chlorostilbon ricordii.
O que lhe falta em tamanho é compensado pelo entusiasmo demonstrado ao vislumbrar uma visitante no seu território. Christopher Clark trouxe uma fêmea graciosa no interior de uma gaiola transparente e pousou-a sobre uma chapa ondulada. Como um helicóptero, o macho levanta voo do ramo que lhe serve de poleiro, paira no ar e solta um trinado na sua direcção.

Visão adaptada - Acompanhando a trajectória e a velocidade deste Calypte anna enquanto voa diante de planos de fundo e cores diferentes projectados neste túnel, investigadores da Universidade da Colúmbia Britânica esperam aprender mais sobre a forma como o colibri processa o mundo através do qual se desloca velozmente. Pensa-se que as aves conseguem monitorizar a altura dos objectos do seu campo visual, como estas barras horizontais, para evitar colisões. Fontes: Roslyn Dakin e Doug Altshuler.

Sobe mais alto, até parecer um pontinho contra o céu nublado. De seguida, como um carro de montanha russa que atingiu o ponto mais alto da pista, lança-se em frente e sibila em direcção ao solo. Num ápice, este animal temerário repete todas as acções: sobe, mergulha e precipita-se. Estes mergulhos duram um mero segundo. Depois, desaparece e os únicos vestígios da sua passagem são as folhas que ficam a tremer após o voo.
Embora observasse com minúcia este extraordinário comportamento, não consegui vê-lo. 

Num ápice, este animal temerário repete todas as acções: sobe, mergulha e precipita-se.

Christopher também não viu, mas fez algo melhor. Gravou a exibição com uma câmara de alta velocidade que divide cada segundo em 500 fotogramas. Depois de descarregar os vídeos do mergulho (os primeiros desta espécie alguma vez captados àquela velocidade), o investigador mostrou-me o filme no seu computador portátil, clicando em cada fotograma merecidamente conquistado. Só então vimos as manobras que a velocidade do colibri ocultou.
Nos últimos oito anos, Christopher viajou do deserto do Arizona à floresta tropical do Equador e à zona rural de Cuba, registando rituais de corte do colibri. De regresso ao seu laboratório na Universidade da Califórnia, examina os vídeos para descobrir o que estes revelam sobre o voo do colibri. As suas conclusões podem contribuir para o nosso conhecimento do voo animal em geral e dos sistemas de acasalamento do colibri em particular.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.