Fugitivos gigantes

Em 2013, os biólogos ficaram surpreendidos ao capturarem um peixe-dourado com 40 centímetros de comprimento no lago Tahoe. 

Texto Erika Engelhaupt Arte Daisy Chung. Fontes Zeb Hogan e Sudeep Chandra, Universidade de Nevada; Allyse Ferrara, Universidade Estadual de Nicholls, Louisiana; Ryan Koenigs, Departamento de Recursos Naturais do Wisconsin.

Atractosteus spatula - Um exemplar típico, capturado na pesca comercial, tem cerca de um metro de comprimento e 9 a 16 quilogramas de peso. Um exemplar capturado em 2011 bateu o recorde: 2,5 metros do comprimento, 148kg e pelo menos 94 anos de idade.

O animal tinha companhia: os peixes de aquário largados ali pelos antigos proprietários multiplicam-se no lago e atingem dimensões anormais. Como os peixes-dourados têm muito alimento disponível e pouca competição, “é possível que, no futuro, vejamos peixes ainda maiores no lago”, diz Sudeep Chandra, investigador de ecossistemas aquáticos da Universidade de Nevada.

O segredo para o tamanho destes peixes é o tempo.

Carassius auratus - É errada a afirmação de que um peixinho-dourado não pode crescer mais do que o aquário onde está. De facto, muitos são deitados fora quando crescem mais do que os seus tanques. O maior exemplar, relatado pelo Guinness World Records, tinha 47,5 centímetros de comprimento.

Ao contrário dos humanos, cujo crescimento pára depois da puberdade, muitos peixes continuam a crescer ao longo da vida. Um esturjão, por exemplo, pode viver mais de 100 anos e atingir 2,5 metros de comprimento. No entanto, na maior parte do planeta, o excesso de pesca trava a longevidade dos peixes. Como resultado, “o mundo vai perdendo os seus grandes exemplares”, acrescenta o biólogo Zeb Hogan.

Em contrapartida, em alguns locais onde a pesca está restrita, estão a estabelecer-se novos recordes. “No passado, alguns desses relatos eram tomados como exageros, mas agora parecem credíveis”, acrescenta Zeb, que é também o apresentador da série de televisão “Monster Fish” do Nat Geo Wild. 

Com os peixes-dourados a crescer no lago Tahoe, Sudeep Chandra quer documentar a forma como estes estão a alterar o ecossistema. Para isso, pretende lançar à água um peixe robótico, capaz de observar furtivamente os gigantes de água doce.

 

Epinephelus itajara - Pescado em excesso durante décadas, este peixe não vivia tempo suficiente para atingir grandes dimensões. Hoje, graças a medidas de conservação impostas na década de 1990, os grandes meros estão de regresso e alguns chegam a atingir 270kg.

Acipenser fulvescens - Em tempos, os grandes esturjões eram capturas acessórias comuns nos Grandes Lagos e os pescadores empilhavam-nos na costa como se fossem pedaços de lenha. As populações foram drasticamente reduzidas pela perda de habitat, pela poluição e… pela popularidade do caviar.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar