cães de guarda

Um jovem cão de guarda, fruto do cruzamento entre um pastor dos Pirenéus e um pastor de Maremma italiano, com o rebanho que defenderá em caso de ataque de um puma.

Os cães de guarda revelaram-se eficazes na Patagónia. 

Texto e fotografias: Andoni Canela

Tive oportunidade de viajar até ao Sul da Patagónia em diversas ocasiões. É um território lendário, onde a estepe e as montanhas criam paisagens magnéticas e onde o vento parece dar forma a tudo. Das últimas vezes, o meu destino foi a província chilena de Última Esperanza e o meu objectivo principal era o puma.

Há seis anos, encontrei ali um animal de quatro patas e peludo que me surpreendeu. Não estava à espera de encontrá-lo naquelas latitudes. Fiquei espantado por vê-lo na estepe patagónica: o que faria ali? Seria mesmo o que eu estava a pensar? Após alguns momentos de dúvida, tive a certeza de que se tratava de um pastor dos Pirenéus. Muitos anos antes, vira pela primeira vez esta raça protegendo rebanhos de ovelhas no Norte de Navarra, a minha terra natal, entre os pastos e bosques dos vales de Roncal, Salazar e Aézcoa. Também o encontrara nos vales vizinhos de Hecho e Ansó, nos Pirenéus Aragoneses. Mas o que fazia na Patagónia? Durante séculos, os pastores dos Pirenéus tiveram por missão proteger o gado ovino dos ataques de lobos, ursos e outros animais selvagens – e também de ladrões de rebanhos. São cães grandes e fortes (podem pesar quase 100 quilogramas), embora dóceis e muito inteligentes. Hoje em dia, são muito apreciados e utilizados como cães de guarda em diversos países.

Foi no encontro com aquele pastor que conheci José Antonio Kusanovic. Homem multifacetado e possuidor de grande carisma, trabalha no campo, tal como a sua família fez ao longo de gerações. Dedica-se à criação de gado, mas também desenvolve actividades relacionadas com o turismo.

Além disso, há vários anos que cria cães de guarda, sobretudo de duas raças: pastor dos Pirenéus e pastor de Maremma, este último originário dos Alpes Italianos.

José Antonio explica-me a origem da ideia: “Surgiu por necessidade. Estávamos desesperados por não conseguirmos criar ovelhas. Os ataques dos pumas eram constantes. Investigando a experiência noutros locais, deparámo-nos com a solução: cães de guarda. Há que escolher bem a raça e criar os cães correctamente para que se adaptem bem ao rebanho e ao terreno. Em seguida, a sua eficácia é enorme e a protecção do gado está garantida.” O processo de criação é fundamental: “A progenitora dá à luz entre o rebanho e passa as primeiras semanas junto dos cachorros no curral, convivendo com as ovelhas.” Isso deixa uma marca básica nos cães, que se sentem parte do rebanho, e leva-os a proteger as ovelhas como se fossem a sua própria família. Passadas algumas semanas, a progenitora abandona o estábulo e as crias ficam sozinhas com as ovelhas. Em poucos meses, estes cachorros transformam-se em autênticos cães de guarda.

cães de guarda

Crias de pastor dos Pirenéus. Ao conviverem com ovelhas desde pequenos, os cães integram-se no rebanho e desenvolvem um forte instinto de protecção.

Recentemente, voltei a encontrar José Antonio Kusanovic. Orgulhoso do seu trabalho como como criador de cães, explicou-me como evoluiu na criação de pastores: “Já criei e entreguei quase 500 cães pastores no Chile, na Argentina e no Uruguai. Alguns até viajaram para os Estados Unidos. Em todos esses países, os cães estão a evitar o ataque dos pumas às ovelhas.”

Agora, o Parque Nacional de Torres del Paine está repleto de cães pastores. Os pumas raramente se aproximam do gado e, por isso, os ganadeiros não sentem necessidade de abatê-los. Da última vez que vi José Antonio Kusanovic, ele contou-me uma história recente que diz muito sobre a eficácia e a importância dos cães pastores: “Na nossa quinta em Torres del Paine, tínhamos uma cadela pastora. Durante os dez anos em que viveu, os pumas não mataram uma única ovelha. Depois de a cadela morrer, os pumas abateram 27 ovelhas em duas semanas. Há pouco tempo, levei para lá um cachorro de seis meses e, até hoje, não morreu mais nenhuma ovelha.”

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar