cisnes

Nascendo de olhos abertos, os juvenis beneficiam da vigilância dos progenitores.

Fotografias: Stefano Unterthiner

Texto: Cathy Newman

A própria palavra “cisne” sugere graciosidade. Recorde-se que o compositor Piotr Ilich Tchaikovsky não compôs o Lago dos Patos!

Tal como os seus primos cisnepequeno e cisne-trombeteiro, o cisnebravo pertence a um clube elegante do qual fazem parte também o cisne-de-bewick, o cisne-preto e o cisne-de-pescoço-preto. Descrito pela primeira vez por Lineu em 1758, o Cygnus cygnus é o cisne entre os cisnes, a espécie-tipo, e consequentemente o arquétipo de todos os cisnes. É igualmente um cisne de superlativos. Com uma população de cerca de 180 mil indivíduos, embora vulnerável à perda de habitat, é um dos cisnes mais abundantes e supera os outros em amplitude territorial.

Para os antigos, a aparência de um cisne deslizan  do sem esforço sobre o espelho de um lago e voando graciosamente, desdobrando as asas, simbolizava a efemeridade e evocava anseios de imortalidade. Sócrates, diz-nos Platão, ouviu o canto de um cisne no   dia da sua morte. As Valquírias transportavam os heróis derrubados para o Valhalla da mitologia nórdica disfarçadas de cisnes. Pitágoras acreditava que as almas dos poetas eram transferidas para os cisnes, um sepultamento que transforma a frase feita “poesia em movimento” num tropo verdadeiramente lírico.

Para a poetisa russa Anna Akhmatova, o cisne “flutua através dos séculos” e na roda das estações. O voo migratório outonal dos cisnes evoca uma melancolia poética: as sombras mais longas, os dias mais curtos, mais um ano a aproximar-se do fim. Mas temos também a reviravolta dos contos de fadas como os do pato transformado em cisne de Hans Christian Andersen, numa metamorfose de feio a principesco.

Estas belíssimas aves são agridoces. Contudo, o seu encanto disfarça os danos exercidos pela gravidade nos seus corpos pesados e pelo esforço da sobrevivência diária. As descolagens trabalhosas, o remar frenético das patas membranosas e o bater de asas vigoroso antes de subirem pelos ares e uma agressividade territorial dirigida aos outros cisnes e aves aquáticas que pode tornar-se perigosa e, ocasionalmente, mortal indicam que a beleza não é tão simples ou suave como poderíamos desejar. 

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar