microfibras

A contaminação provém de minúsculas embalagens tóxicas.

O emaranhado de microfibras que se vê em cima tem menos de quatro milímetros de diâmetro, aproximadamente o tamanho dos pequenos organismos aquáticos conhecidos como plâncton.

Semanalmente o cientista Richard Kirby parte da costa de Plymouth, em Inglaterra, com uma rede de arrasto enganchada ao seu barco para recolher plâncton. Ultimamente, encontra quase tanto plástico como plâncton.

Estima-se que anualmente mais de 600 mil toneladas de microfibras de plástico, libertadas durante a lavagem de lãs, poliéster e outros tecidos sintéticos, cheguem ao oceano. O plâncton pode comê-las ou ficar enredado nelas, e os impactes ecológicos ainda não são conhecidos. “A nossa poluição estendeu-se até ao fim da cadeia alimentar marinha”, diz Kirby. “Alterámos o plâncton, causando efeitos que durarão séculos ou milénios.” 

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar