Caminhe por uma floresta neotropical húmida e verá algo invulgar.

Em tradução livre, perissodactyla  significa “número ímpar de dedos”.  É o nome da ordem dos mamíferos que inclui os rinocerontes (três dedos), cavalos (um dedo do pé ungulado) e os tapires (três dedos nas patas traseiras e quatro nas patas dianteiras).

Uma iniciativa do governo indonésio e apoiada por organizações conservacionistas – entre as quais a National Geographic Society – pretende auxiliar a recuperação da espécie, consolidando populações fragmentadas e ampliando os programas de reprodução em vários santuários de rinocerontes da Indonésia.

Para aumentar o conhecimento sobre as criaturas marinhas, o fotógrafo subaquático Brian Skerry fotografa tanto tempo quanto os seus pulmões lhe permitem. 

O pato-mandarim “possui uma plumagem espantosa e bizarra que o torna um dos mais belos patos do mundo”.

A produção de uma imagem tridimensional de um animal é um processo complexo. “Se ele pestanejar, respirar ou mover uma pata, temos de começar de novo”, diz Duncan Irschick.

Um dos desafios da narração de histórias na revista National Geographic é a forma de apresentar aos leitores pessoas e culturas que estas nunca viram.

Passa pouco das nove horas e trinta minutos da manhã no coração dos Pitões das Júnias, no Parque Nacional da Peneda-Gerês. O nevoeiro é cerrado, mas, mais tarde, é-se recompensado com o alistamento de cabras-monteses que encontram aqui o seu refúgio.

Esta fotografia com uma tripla exposição mostra a floração de uma Amanita muscaria ao longo de 36 horas.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar