padre himalaya

Inventou engenhos extraordinários. Quis resolver problemas energéticos, ecológicos e agrícolas. O Padre Himalaya foi um pioneiro português cuja memória tem sido reabilitada nas últimas décadas. Em Arcos de Valdevez, estão agora a nascer as Oficinas de Criatividade Himalaya.

Texto: Gonçalo Pereira Rosa
Fotografias: Município Arcos Valdevez e Revista Occidente
Ilustrações: Anyforms

Em 10 de Novembro de 1906, a revista Occidente rejubilava: “O Padre Himalaya é hoje uma glória portuguesa e por isso tudo o que a seu respeito se possa dizer terá para o público a curiosidade que despertam os homens privilegiados por seus talentos e obras extraordinárias.” Não era caso para menos.

padre himalaya

Manuel António Gomes, o inventor de batina nascido em Cendufe (Arcos de Valdevez), tinha então 38 anos e acumulava já 17 de experiências em Portugal e no estrangeiro com estranhos engenhos para captação da energia solar, entre outros inventos que o público nem sequer sonhava. Ganhara dois anos antes o Grande-Prémio da Exposição Mundial de Saint Louis (EUA), com uma máquina que a propaganda da época assegurava atingir o “grau supremo de calor”, o máximo possível de temperatura medida. Espantara sábios e capitalistas nos Estados Unidos, vencendo a sátira inicial e conduzindo sucessivas experiências para fundir metais. Mais: ao contrário de inventores do “primeiro mundo”, apresentara-se em Saint Louis quase sem apoios, sem mecenas, sem máquina de propaganda. “O país ficou conhecido em toda a América e em todo o mundo como um país onde há mais do que vinho do Porto, cortiça e pescadores”, assegurava o artigo.

Pyrheliophoro de Saint Louis, 1906

Para Himalaya, o padre que desde o seminário ganhara essa alcunha bem-disposta em virtude da sua estatura pouco comum para a época, o céu parecia o limite para a sua capacidade inventiva. Pareciam definitivamente para trás as agruras de um jovem que dependera do mecenato para prosseguir os estudos (primeiro de Madame Emília dos Santos, uma benemérita brasileira que financiara as primeiras experiências, e depois da Condessa da Penha Longa, que custeara boa parte do projecto solar). Parecia também esquecido o seu grande fiasco: em Abril de 1902, prometera mostrar ao rei Dom Carlos, na Tapada da Ajuda, a potencialidade da máquina solar que desenvolvia desde o final do século passado em França. “A experiência correu mal”, conta Jacinto Rodrigues, o seu biógrafo e principal responsável pela reabilitação da figura do Padre Himalaya nas últimas quatro décadas. “A máquina desengonçou-se e a energia captada acabou por destruir as próprias pernas da máquina solar. Foi um fiasco, mas o Padre Himalaya era resiliente.”

padre himalaya

Uma vida aquém do génio. Carismático, mas também ingénuo, o padre Himalaya captou a atenção de todos, mas aceitou, depois da Exposição, um convite para visitar os Estados Unidos. Quando regressou, o seu engenho tinha sido vandalizado. Fonte: Jacinto Rodrigues ("A Conspiração Solar do Padre Himalaya") e Município de Arcos de Valdevez.

Em 1906, com um punhado de invenções bem sucedidas e o pioneirismo já reconhecido numa exposição mundial e por várias patentes registadas, o Padre Himalaya poderia ombrear com os grandes inventores do início do século XX. Mas o seu destino seria diferente. Da mesma forma que a sua invenção fora pilhada no final da feira de Saint Louis em 1904, despojada dos 6.117 espelhos côncavos de cristal que lhe permitiam operar, apagando-se para sempre, também a memória do feito do Padre Himalaya foi sendo coberta de nuvens. A história política do país, na antecâmara de uma mudança revolucionária de regime, a que se seguiriam anos turbulentos de golpes e revoluções, não criou condições para a consolidação do inventor. Em 1933, quando morreu, os ecos dos seus triunfos já se esfumavam nas brumas da história e assim permaneceriam durante quatro décadas, com uma curta excepção em 1968, ano em que se celebrou o centenário do seu nascimento e foi publicada uma pequena obra de exaltação.

Entrou então em cena o segundo investigador extraordinário desta história.

DO EXÍLIO PARA A ACADEMIA

Jacinto Rodrigues exilara-se em França na década de 1960, fugindo à ditadura portuguesa. Ali leccionara disciplinas de Sociologia Urbana e Organização do Território, apaixonando-se pelas questões relacionadas com a energia e a ecologia. Regressou a Portugal após a revolução de 1974 e, por feliz acaso, esbarrou num alfarrabista com uma revista de 1905 exaltando o pioneiro que acabara de espantar os norte-americanos em Saint Louis. Como um arqueólogo do conhecimento, fez primeiro uma sondagem do terreno, descobrindo, com espanto, que pouco ou nada se sabia do Padre Himalaya.

“Não era totalmente desconhecido na academia”, gosta de lembrar. “Existiam alguns trabalhos fragmentados sobre as suas experiências, mas a sua biografia era quase desconhecida.” Em Arcos de Valdevez, o investigador (hoje catedrático aposentado da Universidade do Porto) iniciou a dura tarefa de recomposição das peças do puzzle de uma vida. Recuperou a pista de dois sobrinhos-netos do padre, que dispunham ainda de algumas memórias dos anos finais do inventor. E lançou-se nos arquivos.

Como todas as quimeras, a busca de informação sobre o Padre Himalaya teve momentos de desespero (uma gaveta com cartas e outros documentos inéditos tinha sido queimada) e momentos de revelações formidáveis. Jacinto Rodrigues percebeu que a busca não se poderia limitar ao território português. Himalaya fora um verdadeiro trota-mundos, viajando pelas colónias portuguesas em África como missionário (onde aliás contraiu malária), por Espanha, por França, pela Alemanha, pelos Estados Unidos e pela Grã-Bretanha. As migalhas de informação foram-se juntando. Em Sorède, uma pequena aldeia de montanha nos Pirenéus Orientais, o investigador encontrou vestígios de uma máquina solar que o inventor ali agregara, com peças encomendadas de Paris. “Havia até memórias de um padre que conduzira experiências exóticas na região, com calor extremo”, lembra.

forno solar

Forno Solar de Sorede.

Também nos Estados Unidos foi possível reconstituir as visitas de Himalaya a centros de conhecimento e de indústria, validando a autoridade que o inventor português granjeara e intuindo também a dispersão dos seus interesses. “Essa tem sido a verdadeira revelação sobre o Padre Himalaya: ele foi mais do que o inventor de máquinas solares. Acumulou mais de duas dezenas de patentes e, sobretudo, foi precursor da ecologia e do pensamento sistémico sobre a natureza no nosso país. E essa parte da história estava totalmente por escrever.”

padre himalaya

O forno solar do padre Himalaya. Em 1904, na exposição Universal de Saint-Louis, um inventor português arrecadou o grande-prémio, duas medalhas de ouro e uma de prata e espantou cientistas, curiosos e até o presidente norte-americano Theodore Roosevelt. Fonte: Jacinto Rodrigues ("A Conspiração Solar do Padre Himalaya") e Município de Arcos de Valdevez.

RENOVÁVEIS AVANT LA LETTRE

Entre 1891 e 1892, o Padre Himalaya teve um problema grave na sua carreira eclesiástica. “Aparentemente, a paixoneta de uma senhora casada conduziu-o a uma reflexão sobre o seu vínculo à igreja. Era um homem muito sério, com uma postura muito interessante. Pediu para ser reduzido ao estado laical (pedido esse que seria recusado), mas essa documentação tem também o mérito de nos mostrar a sua obsessão com a ciência. Ele argumenta que, embora se mantivesse cristão, queria prosseguir as suas experiencias científicas, intensificar contactos e aprofundar o conhecimento.”

Na transição para o século XX, a Igreja católica está então em plena efervescência com debates teológicos sobre a infalibilidade do papa e a doutrina social exposta por Leão XIII. Em Portugal, o clero é uma força vinculada à monarquia, à medida que crescem, nas hostes republicanas, os movimentos jacobinos de contestação radical. Assolado por fogo de duas baterias, o padre Himalaya distancia-se do trabalho pastoral e do debate ideológico, concentrando a sua energia na ciência. Destacado para o Colégio da Visitação no Porto, aprofunda o seu conhecimento das ciências naturais, ao mesmo tempo que se maravilha com as potencialidades da construção do ferro, da metalomecânica e dos processos de fundição. Todos esses átomos de conhecimento juntar-se-ão nas suas prodigiosas experiências.

“Um dos aspectos mais curiosos da investigação deste homem é a permanente obsessão com a fertilização dos solos”, conta Jacinto Rodrigues que, além de artigos, publicou “A Conspiração Solar do Padre Himalaya” em 1999 e uma antologia de textos inéditos em 2013. “Esse é o motor que o alimenta. Ele pretende desenvolver melhores processos para adubagem dos solos, e a invenção da himalaíte, um explosivo que passa à posteridade com o nome do seu inventor, resulta dessa busca de soluções para tornar produtivos solos rochosos e pouco férteis.”

Gradualmente, o Padre Himalaya evolui de uma perspectiva micro para uma noção macro dos problemas que pretende resolver. “É uma evolução epistemológica”, explica o seu biógrafo que, nos últimos anos da sua carreira docente, leccionou precisamente Ecologia Urbana. “Trabalhando em questões de energia, de solos, de biodiversidade, ele começa a relacionar esses campos com a própria biosfera. Concebe o planeta como um ser vivo. O contributo do Padre Himalaya não é apenas um triunfo tecnológico. É a sua visão sistémica da natureza e do planeta, que antecipa o movimento ecologista em várias décadas. É a intuição de que os sistemas da Terra estão interligados e que a manipulação de uma das variáveis tem repercussões em tudo o resto.”

Esta tese tem sido substanciada pelas duas últimas décadas de pesquisa documental de Jacinto Rodrigues sobre as cartas que o Padre Himalaya escreveu e as conferências que proferiu na Academia das Ciências de Portugal. “São ecos de um homem multifacetado, que tanto se interessa pela fundamentação do cristianismo, face aos ventos evolucionistas que põem em causa alguns dogmas sobre a Criação, como pelas questões do desenvolvimento sustentável”, diz Jacinto Rodrigues. Numa das intervenções, o Padre Himalaya chega a articular a conclusão de que a pobreza proverbial do país não será necessariamente um calvário eterno – tudo depende do modelo de desenvolvimento a escolher. “E faz ali a apologia das energias renováveis avant la lettre”.

OFICINAS DE CRIATIVIDADE

De alguma forma, a invenção mais sonante do Padre Himalaya, a máquina para aproveitamento da energia termo solar, foi condicionada pela evolução da indústria que adoptou o paradigma dos motores de combustão alimentados a combustíveis fósseis. No grande duelo tecnológico do início do século XX, quando duas imensas avenidas se abriram para exploração das sociedades industriais, a aposta no carvão e no petróleo (mais fáceis de obter e mais baratos) teve repercussões esmagadoras sobre o Ambiente. O Padre Himalaya, que chegou a propor veículos alimentados a energia eléctrica, permaneceu no pólo dos vencidos da história e talvez essa seja a principal causa para o progressivo esquecimento do seu contributo.

Em Arcos de Valdevez, porém, à medida que se aproxima o centenário da morte do pioneiro da vila, há esforços árduos para reabilitar a figura de Himalaya e o seu contributo para a ciência. À frente da locomotiva que está a movimentar as Oficinas de Criatividade Himalaya, está o matemático João Manuel Esteves, especializado em ciências da computação e apaixonado por ciência. É presidente da autarquia local e, em 2015, comandou a candidatura do projecto a apoios comunitários.

“Se quiser que lhe expresse a nossa ideia numa equação simples, dir-lhe-ei que, em Arcos de Valdevez, n + h = ds, que é como quem diz, a natureza somada ao homem produz desenvolvimento sustentável”, diz, com uma gargalhada. Num concelho que acumula figuras de protecção ambiental (ainda no interior do Parque Nacional da Peneda-Gerês, com vários sítios da Rede Natura, uma reserva da biosfera e a Paisagem Cultural do Sistelo), é natural que as teses do Padre Himalaya tenham ainda utilidade pedagógica. “Foi um pioneiro do desenvolvimento sustentável e da ecologia”, lembra o autarca. “Fizemos-lhe justiça, aplicando princípios da economia circular ao projecto, na medida em que o instalámos no antigo liceu desactivado e procurámos que as Oficinas de Criatividade tivessem uma pegada ecológica mínima”, acrescenta.

Pronto a inaugurar no início de 2021 (a pandemia forçou o adiamento da inauguração, que esteve prevista para 9 de Dezembro, a data de nascimento do Padre Himalaya), o projecto pedagógico tem a filosofia de um centro interpretativo, juntando-lhe uma dimensão de promoção da ciência, do conhecimento e da eco-cidadania. O visitante é ali chamado a maravilhar-se com duas réplicas das máquinas solares de Himalaya: a de Saint Louis tem quase a escala real e foi naturalmente despojada das condições que lhe permitiriam obter as temperaturas extraordinárias que Himalaya atingiu na Exposição Mundial; a dos Pirenéus, implantada no topo de um dos edifícios, é já o ícone do equipamento e recorda que, em ciência, os pequenos avanços são tão necessários como os grandes saltos.

No interior, há jogos de ciência e laboratórios. Um holograma do Padre Himalaya interpela os visitantes e fornece informação. Numa bicicleta, pode pedalar-se até produzir força motriz suficiente para acender uma lâmpada. Os laboratórios permitem colocar a mão na massa, com experiências reais. E, se tiver estômago para isso, o labirinto só lhe permite progredir com as peças armazenadas na mochila de cada visitante e com as respostas certas sobre a vida e obra do pioneiro de Cendufe. Resta-lhe, no final, entrar para o interior de uma bolha de sabão ou ainda assistir a conteúdos em alta definição projectados num hemisfério/dome de 360 graus.

Mais de cem anos depois do grande êxito da carreira inventiva do Padre Himalaya, ainda há zonas sombrias na biografia deste homem? Jacinto Rodrigues continua a maravilhar-se com as conferências proferidas pelo seu biografado sobre agricultura, represamento de rios, construções de betão armado e até uma participação ainda mal esclarecida no esforço de guerra português, durante a Primeira Grande Guerra, desenvolvendo técnicas de detecção de submarinos. Há igualmente ecos de um livro de memórias escrito mas perdido por Himalaya no final da vida.

Como a cordilheira que lhe deu nome, o Padre Himalaya viu mais alto do que a maioria dos seus contemporâneos. A partir do próximo ano, as Oficinas de Criatividade Himalaya, em Arcos de Valdevez, chamam por si para compreender melhor o legado de um homem extraordinário.

 

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar