Texto: António Luís Campos

Após largas semanas de trabalho computacional, a Capela do Fundador, no Mosteiro da Batalha, surge agora com múltiplas cores no ecra, contrastando com a visão da pedra desnudada.

Um dos resultados finais do projecto de estudo da cor neste monumento, Policromia Monumental, é um modelo tridimensional de toda a sala, mostrando o papel que a cor desempenhou originalmente. A equipa do Laboratório HERCULES, da Universidade de Évora, em parceria com a spin-off THEIA, realizou um levantamento 3D recorrendo, em simultâneo, a um varrimento laser e captura fotogramétrica, feita a partir de cerca de 800 fotografias. A combinação das duas técnicas resultou num modelo com 400 milhões de polígonos.

A reconstituição das pinturas em formato virtual, o grande objectivo do trabalho, ocupou uma equipa de quatro técnicos e foi feita através de vários programas informáticos de pintura, utilizando técnicas que se traduzem num grau de realismo superior aos métodos tradicionais. Por fim, os diversos modelos foram agrupados num software de motor de jogo, o que agilizou o método de processamento da informação.

Foram produzidos diversos vídeos e imagens que permitem visualizar agora, centenas de anos depois, quão coloridos terão sido a capela e o túmulo de Dom João I e de Dona Filipa de Lencastre.

Modelo 3d obtido por Fotogrametria utilizando o Software Agisoft Photoscan: Yigit Helvaci.

Coloração do Mapeamento da Textura de Alta Definição do Modelo 3 Usando a Técnica de Pintura Digital de Superfície: Nuno Carriço.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar