Praga, a sedutora capital do Moldava

CIDADE DE PONTES Das 18 que cruzam as águas do Moldava em Praga, a de Carlos IV (1357) é a mais icónica. Até 1841 foi a única a unir as duas margens.

Depois do degelo de um Inverno rigoroso e continental, que cobre a cidade de neve, o rio Moldava de gelo e as colinas de silêncio, a Primavera regressa, gloriosa, a Praga.

Uma aura de mistério permanece sempre sobre esta cidade, que se nega a ser conquistada ou conhecida por completo. Foi assim desde a sua fundação, aninhada nos arredores do castelo, no século X. Primeiro, a Cidade Velha. Duzentos anos depois, a Cidade Pequena ou Malá Strana, concebida para a população alemã. E, por fim, a Cidade Nova, no século XIV.

Num passeio por Praga, estas diferenças parecem pouco relevantes, visto que a cidade absorve e assimila a história. O centro mostra-se quase carente de marcas da presença moderna, à excepção da bela Casa Dançante, na margem do Moldava, construída entre 1992 e 1996 por Frank Gehry e Vlado Milunic. Entre as vizinhas fachadas barrocas, o inovador edifício curva-se sobre a rua com tamanha graça que foi baptizado como Ginger e Fred e transformou-se num símbolo de Praga.

Por onde começar? Talvez pelo Castelo, que domina a cidade e oferece uma panorâmica dos telhados, das torres e do rio. 

Antes ou depois de presenciar o render da guarda ao meio-dia, convém visitar a galeria do castelo, que expõe obras notáveis de Rubens e Ticiano e a catedral gótica de São Vito, repleta de painéis opulentos e vitrais deslumbrantes e cujo campanário oferece uma panorâmica única. 

Sempre que possível, Praga deve ser apreciada das alturas, começando pela Rua do Ouro.Esta rua do bairro do castelo é agora famosa, mas as suas pequenas casas de cores brilhantes e com janelas propícias para a fantasia não deveriam ter sido assim em séculos anteriores, quando serviram de lar e oficinas dos ourives. Também não deveriam ser particularmente deslumbrantes quando Franz Kafka lá passou o Inverno de 1916 no número 22. O Castelo, um dos seus grandes romances, foi inspirado por estas paredes e por estes muros. É quase tentador imaginar um rapaz alto e magricela, de olhos ardentes, envergonhado do seu próspero pai comerciante enquanto descia à cidade.

O viajante pode seguir os passos de Kafka através da Ponte Carlos IV, a mais antiga e espectacular de Praga, ligação obrigatória durante séculos entre as duas margens do Moldava. Talvez passe sem ver as 30 esculturas que a guardam ou ignorando o brilho no pedestal de São João Nepomuceno, o santo que foi atirado discretamente ao rio e que, segundo reza a lenda, concede os desejos pedidos. 

Kafka cruzaria depois o Clementinum, coração da cultura centro-europeia, que aglutina universidades, bibliotecas, observatórios e onde, segundo o argentino Jorge Luis Borges, um grupo de bibliotecários procura Deus numa das letras dos infinitos livros que contém.

Kafka, que escrevia em segredo estranhas histórias de personagens ainda mais estranhas, atravessaria a pequena Praça Malé, com o seu poço entre as casas antigas e profusamente decoradas, e dobraria a esquina até à praça da Câmara Municipal. Entre as nove horas da manhã e as nove da noite, agora tal como então, o relógio astronómico concentra toda a atenção sempre que se chega a um intervalo horário. O enigmático mecanismo de três esferas coloca-se em movimento à hora em ponto e, nessa altura, as figuras da Morte, da Avareza, da Luxúria e da Vaidade, juntamente com os Doze Apóstolos, começam um carrossel público.

As esplanadas próximas do relógio oferecem um primeiro plano exclusivo do espectáculo mil vezes repetido em frente de um café, de uma das famosas cervejas checas ou de uma aguardente local, a becherovka, por exemplo, de 380e tão potente como o absinto. Noutros séculos, dever-se-iam ver aqui outras cenas muito mais cruéis: os checos inventaram a defenestração como solução para a crise de Estado. Embora drástico, tornou-se habitual atirar os responsáveis políticos falhados pelas janelas. 

Em 1419, catorze conselheiros municipais voaram desde a torre da Câmara Municipal, atirados pela multidão descontente. Em 1618, vários representantes do governo do imperador caíram das janelas do castelo, empurrados pela nobreza local. Não morreram, mas aterraram em cima de um monte de esterco.

Kafka saberia, sem olhar, que a figura da Avareza do relógio medieval representava um comerciante judeu, tal como o seu pai. Muito próximo dali começava o gueto, o local onde o imperador José II permitiu no século XVIII que os judeus praticassem a sua religião livremente. Amontoada, mas pelo menos com direito ao seu culto, a comunidade judaica de Praga viveu durante séculos sem se misturar com a restante população, com as suas sinagogas, as suas lojas e o seu cemitério vertical.

Aqui, no século XVI, nasceu o mito do Golem, outra invenção checa. Foi durante o reinado de um monarca obcecado com a magia negra e com a alquimia, Rodolfo II, que converteu a sua corte num espaço aberto para magos, astrólogos e burlões. O rabi Lowe, a máxima autoridade do judaísmo na cidade, preocupado com a sua comunidade, moldou em barro do Moldava uma figura à qual teria atribuído vida com um encantamento, o Golem. 

Aquela criatura ajudava os judeus e, sobretudo, protegia-os dos ataques anti-semitas. Diz a lenda que Golem dorme na Sinagoga Staronova (a Velha-Nova), num quarto selado, que os turistas só podem contemplar por fora. Borges, uma vez mais, dedicou-lhe um poema: «Na hora de angústia e de luz vaga, no seu Golem, os olhos detinha.»

O Golem não conseguiu proteger a cidade durante a invasão nazi entre 1938 e 1945.Kafka já morrera em 1924, mas as suas irmãs pereceram nos campos de concentração. A cidade ficou sob o jugo de ferro de Heydrich, o Carniceiro de Praga, que massacrou os judeus e a resistência checa. Sean Ellis realizou em 2016 o filme Antropóide sobre este momento histórico. Mesmo assim, a comunidade judaica sobreviveu e, na actualidade, o seu bairro recebe milhares de visitas que percorrem as ruas e absorvem a cultura.

Vale a pena entrar igualmente na Sinagoga Espanhola, com decoração mourisca, filigranas douradas e inúmeras lamparinas, na sinagoga Meisel, contemporânea do Golem e, claro, na Sinagoga Pinkas, que guarda a entrada para o antigo cemitério judaico. Mesmo os turistas que não apreciam a visita de cemitérios deveriam ver este: sem flores, só com as lápides de quem ali descansa, camada sobre camada, num labirinto de túmulos e nomes.

Quando cai a noite e as luzes transformam Praga numa cidade mais misteriosa,  é chegado o momento de procurar outros entretenimentos. A Ópera de Marionetas ou o Teatro Negro oferecem espectáculos para crianças e adultos. Os concertos vespertinos nos teatros e nas igrejas barrocas, algumas das quais com órgãos centenários perfeitamente conservados, são outra opção de lazer. Os concertos mais interessantes ocorrem na Casa Municipal, um extraordinário edifício modernista, na Sala Smetana, sede da Orquestra Sinfónica de Praga.

Se preferir um ambiente mais moderno, deve dirigir-se à Praça Velkoprevoské, dedicada à liberdade e à resistência, em cujo muro coberto de graffiti se destaca a efígie de John Lennon. Ou então, dirija-se à ilha fluvial Kampa, onde alguns bares vendem comida e bebida a qualquer hora do dia e da noite. Outro símbolo da liberdade encontra-se na Praça Venceslau: foi ali que se iniciou a Primavera de Praga, em 1968. Uma vez mais, este povo constantemente oprimido e conquistado demonstrou a sua independência e a sua determinação.

Praga acumula tantos edifícios belos que é quase impossível não planear uma segunda ou uma terceira visita. Muito fica por ver, como a Ópera do Estado, na rua Wilsonova, uma imitação da ópera de Viena; a bela Estação Central, modernista; a Torre da Pólvora, com as suas esculturas quase negras à porta da Cidade Velha… 

Na verdade, não são apenas o intrincado de ruas ou os pormenores de cada recanto que o seduzirão. 
A magia de Praga radica em algo inexplicável que se escapa, uma emoção intangível que o fará regressar para tentar apreendê-la.

A não perder…

Praça da Cidade Velha.Rodeada de palácios com pórticos e onde se destaca a Câmara Municipal. As torres da Igreja da Nossa Senhora de Tyn sobressaem por cima dos telhados da fachada leste. 

 Ponte de Carlos IV. A mais icónica e antiga. Liga a Cidade Velha a Malá Strana.

 Bairro Judaico.A rota por esta zona inclui sinagogas, o antigo cemitério e o Rudolfinum, uma bela sala de concertos.  

 Teatro Nacional. Um sumptuoso edifício neo-renascentista de 1883, na Cidade Nova.

 O Castelo. O palácio é o centro de um recinto que inclui igualmente a Catedral de São Vito e um bairro de casas unido pela Rua do Ouro.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar