Nas escolas secundárias colombianas, um programa utiliza bebés robóticos para desencorajar a gravidez na adolescência.

Texto: David Brindley

Fotografias: Christian Rodriguez

Jefrin Bayona já está atrasado para a escola e pouco passa das 6 horas da manhã. “Mal dormi esta noite”, confessa o aluno de 15 anos. “O bebé acordou--me às 10, à meia-noite e às quatro da madrugada.” Nesta região das planícies rurais do Noroeste da Colômbia, as aulas começam cedo. Jefrin esfrega o rosto cansado com a mão enquanto dá goles no seu chocolate quente. “Estiven”, o seu filho pequeno, está sentado, em silêncio, numa cadeirinha de bebé no chão da modesta sala de estar.

Felizmente para Jefrin, esta incursão precoce na paternidade termina hoje: é um dos participantes num programa de imersão total organizado pela sua escola com o objectivo de evitar a gravidez entre adolescentes. “Estiven” é, na verdade, um bebé robótico, concebido para simular as necessidades de um bebé com um mês de vida – chorando em intervalos programados para incitar os alunos a alimentá-lo, fazê-lo arrotar ou mudar-lhe a fralda. As reacções são monitorizadas e registadas e os alunos são avaliados pela rapidez com que reagem. Um bebé que permanece demasiado tempo sem atenção desliga-se e reduz a nota do aluno.

Jefrin cuida do bebé há 48 horas e este adolescente, geralmente extrovertido e animado, mostra-se visivelmente exausto. Chega à escola cinco minutos depois de a campainha tocar e entrega o bebé à colega Alexandra Guerrero, de 15 anos, a mãe atribuída para o próximo turno de dois dias.

Cerca de 17 milhões de raparigas adolescentes dão à luz anualmente em todo o mundo, enfrentando riscos de saúde durante a gravidez e desafios económicos para o resto da vida – para si e as suas famílias. Educação e sonhos de futuro são frequentemente abandonados por estas jovens mães. A América Latina tem a terceira maior taxa de gravidez adolescente do mundo. Embora a taxa global tenha diminuído na última década, na América Latina o ritmo de decréscimo é menor do que nas restantes regiões. Na Colômbia, uma em cada cinco mães tem entre 15 e 19 anos. As adolescentes rurais pobres correm maiores riscos de gravidez precoce.

E é isso que nos traz às salas de aula de uma escola pública na vila colombiana de Tame.
O programa no qual Jefrin, Alexandra e 100 colegas do nono ano, com idades compreendidas entre 14 e 16 anos, participam – com o consentimento dos pais – visa prevenir a gravidez precoce. Além do exercício de dois dias com o simulador de bebé, os alunos frequentam um curso de 30 horas que abrange os princípios essenciais da educação sexual, o uso de contraceptivos, debates sobre estereótipos e papéis de género, violência doméstica e orçamentos familiares. Os alunos têm de ser aprovados num exame final sobre estes tópicos e escrever um ensaio ou fazer um vídeo sobre as suas experiências com os bebés.

“A educação sexual e a simulação são importantes e reforçam-se mutuamente”, diz Camila Guzmán, directora do programa Bebé? Pensa bem nisso! “O objectivo não é assustar os alunos. Queremos desenvolver uma consciência em relação ao sexo e à gravidez. É claro que podem ter filhos… quando estiverem prontos.”

Os bebés robóticos foram concebidos nos Estados Unidos há mais de 20 anos e o programa já foi implementado em todo o mundo. Contudo, é relativamente caro. Custa cerca de oitenta euros por aluno na Colômbia e exige vários instrutores. Isso levanta questões de adaptabilidade nos países em desenvolvimento com escassez de recursos. Em contrapartida, revela-se eficaz. Num estudo que envolveu mais de 1.400 alunos, o programa reduziu a taxa de gravidez adolescente em 40%.

Após o curso de uma semana, Alexandra, que planeia formar-se em engenharia na faculdade, está determinada em adiar a maternidade. “Não quero ter um filho agora. Não sou capaz de cuidar dele”, afirma. “Talvez quando tiver 25 ou 26 anos, depois de concluir os estudos.”

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar