Thomas Mann, autor de “Morte em Veneza”, dizia que, à cidade dos canais, se devia chegar por mar, pois fazê-lo de outra forma é como entrar pela porta das traseiras numa vivenda. Já não existem barcos a vapor como aquele em que Gustav von Aschenbach (Dirck Bogarde, no cinema) descobria a cidade entre a bruma.

Texto: Txerra Cirbián

Existe, no entanto, uma forma mais simples de realizar os desejos do escritor: ao sair do aeroporto Marco Polo, o turista pode entrar no Alilaguna, o ferry que atravessa a lagoa e permite vislumbrar o perfil de Veneza com os seus campanários recortados no horizonte.

Veneza é uma das cidades mais literárias do mundo, mas também é uma das mais cinéfilas. Se decidir ignorar o conselho de Thomas Mann, pode sempre optar pelo glamour de Hollywood e chegar de comboio, como Katherine Hepburn em “Quando o Coração Floresce”, um filme que David Lean dirigiu há seis décadas e colocou na moda a cidade como destino romântico.

É indiferente se o viajante já visitou Veneza ou se nunca lá esteve. Nunca duvide em copiar a grande actriz: suba a um vaporetto da linha 1 na Ferrovia em direcção a São Marcos e, se puder, sente-se na parte da frente da barcaça, porque desfrutará do prazer de deslizar pela História, assim mesmo, em maiúsculas. Estamos no Grande Canal, a principal artéria da cidade, que desenha um enorme 2 (ou um grande S invertido) ao longo de quase quatro quilómetros. Neste espelho, pairam à sua volta meia centena de palácios decorados com fachadas góticas, barrocas, renascentistas e neoclássicas.

Durante o longo trajecto, o inconfundível autocarro aquático passa sob três das quatro grandes pontes que unem as duas margens do canal: a dos Descalços, a do Rialto e a da Accademia. A quarta, a da Constituição, é a mais moderna e controversa: foi construída pelo arquitecto espanhol Santiago Calatrava e liga a Piazzale Roma à estação de comboio.

A ponte mais bonita e mais conhecida de todas é a de Rialto, até porque é um dos eixos da vida comercial veneziana. Ponto de encontro, de negócios e conspirações, é também o local onde Al Pacino, no seu papel do judeu Shylock, recebe a cuspidela de Jeremy Irons, o aristocrata António no “Mercador de Veneza” (2004), na última adaptação para o cinema da obra de Shakespeare, filmada em pleno Inverno por Michael Radford. Os duplos que eram atirados da ponte vestiam roupa de neoprene por baixo das roupas medievais para aguentarem as geladas águas do Grande Canal.

O mercado do Rialto é uma paragem obrigatória. Logo na alvorada, os venezianos compram peixe e marisco da lagoa, legumes da ilha de Sant’ Erasmo e cogumelos de Friuli. As ruas entre a ponte e a Fondamenta Riva Olio, em especial no Campo da Pescaria, são indispensáveis para sentir o pulsar da cidade. O edifício de tijolo-vivo e toldos vermelhos que alberga o mercado de peixe está adornado com uma varanda de onde Johnny Depp se lançou sobre os toldos para fugir dos valentões que o perseguiam em “Turista” (2010).

Depp e Angelina Jolie também chegaram de comboio a Veneza, mas, depois de saírem pela porta da estação de Santa Lúcia, entraram num barco-táxi que os deixava junto do Danieli, o luxuoso hotel situado a poucos metros da Praça de São Marcos onde se hospedam as celebridades. Dickens, Balzac, Proust e Wagner dormiram nos seus quartos e, dizem, a escritora francesa George  Sand (pseudónimo de Amantine-Lucile-Aurore Dupin) viveu aqui o seu amor com Alfred de Musset. Em todo o caso, o seu espectacular vestíbulo e o restaurante no terraço com uma panorâmica magnífica, merecem uma visita.

Quando o vaporetto chega perto deste hotel, depois de passar a doca do Palácio Ducal, descemos da barcaça. Do outro lado da Piazzeta, depois de passar entre as colunas do Leão e São Teodoro, entramos na famosa Praça de São Marcos para admirarmos a Torre do Relógio e os seus autómatos, a fachada bizantina da Basílica e a Porta della Carta, a entrada principal do Palácio Ducal. Daniel Craig estacionou a sua lancha aqui perto, nas imediações do restaurante Cips, numa cena célebre de “Casino Royale”.

Nos dias de Inverno, este conjunto tem um encanto especial graças ao fenómeno da acqua alta (de meados do Outono até à Primavera), quando as águas da lagoa inundam de forma pacífica mas inexorável as partes mais baixas da cidade. Na alvorada, a alagada Praça de São Marcos parece um espelho que reflecte as arcadas das procuradorias, com as cadeiras e as mesas dos cafés e as pombas sobrevoando o Campanile.

Depois de ter dedicado um dia inteiro à Veneza essencial (Rialto, Grande Canal e Praça de São Marcos), lançamo-nos à descoberta da outra Veneza, a das pracetas com igrejas e com os palácios mais escondidos, camuflados pelos canais estreitos.

O sestiere do Castelo, talvez o bairro com o sabor de maior autenticidade, encontra-se a escassas duas paragens de vaporetto para lá da Piazzetta. Atravessando a ponte que une a Riva Cà di Dio com a Riva San Biagio, fica-se de frente para a bela entrada do arsenal, o quartel onde a actriz italiana Alida Valli procurava o seu amante Farley Granger em “Sedução da Carne” (1955), o primeiro filme de Luchino Visconti rodado na cidade, vários anos antes do seu “Morte em Veneza” (1972).

Para entrarmos no bairro, temos de atravessar a ponte da Cadene e seguir pela Via Giuseppe Garibaldi, flanqueada por estabelecimentos comerciais e restaurantes tradicionais. Tal como Corto Maltese na “Fábula de Veneza” desenhada por Hugo Pratt em 1977, seguimos pela Fondamenta Santa Anna e cruzamos a longa ponte de madeira de Quintavalle para admirar a bonita e pouco conhecida Basílica de San Pietro di Castello.

Para o segundo dia em Veneza, recomenda-se um início de frente para a Basílica de Santa Maria della Salute, à entrada do Grande Canal. Em finais de Novembro, precisamente durante a festa dedicada à Virgem da Saúde, instala-se aqui uma ponte provisória para permitir o acesso mais directo à igreja, dado que a da Accademia fica ainda longe.

Mesmo ao lado, a Punta della Dogana de Mare oferece uma incrível paisagem da saída do Grande Canal, com a torre do Campanile e o Palácio Ducal emergindo à esquerda, e a Basílica de San Giorgio Maggiore do outro lado do amplo canal que separa Veneza da ilha da Giudecca, onde George Clooney costuma alojar-se quando visita a cidade.

A Bienal de Arte – de Maio até final de Novembro – costuma aqui recriar obras de arte famosas ou desafiar as convenções, colocando neste bairro novas figuras escultóricas de apreensão mais complexa.

O museu que alberga a Colecção Peggy Guggenheim, imprescindível para os amantes de arte moderna, está a poucos passos. No seu terraço, Woody Allen filmou cenas de “Toda a Gente Diz Que Te Amo” (1996). Apaixonado pela cidade, o famoso realizador nova-iorquino casou-se no Pallazo Calli, um edifício próximo da Rialto onde se celebram as bodas civis da cidade.

Passeando perto do Grande Canal pelo mesmo bairro de Dorsoduro, chegaremos ao Campo de San Vio. Esta ampla praça serviu de decoração para o terraço da fictícia Pensione Fiorini, onde se alojava Katharine Hepburn em “Loucura em Veneza”; um pouco mais à frente, no Campo de San Barnaba, a actriz caía nas águas do canal enquanto captava uma fotografia.

Nesta mesma praça, no filme “Indiana Jones e a Última Cruzada”, Harrison Ford entrava na igreja de San Barnaba à procura de pistas para localizar o seu pai (Sean Connery) desaparecido. Minutos depois, saía através de um esgoto no meio da praça perante o atónito olhar dos turistas. O templo, erguido no século VIII, reconstruído no século XVIII e hoje já não dedicado a qualquer santo, acolhe uma exposição permanente de Leonardo da Vinci.

Os becos que desaguam no Grande Canal conduzem até um dos palácios venezianos mais exuberantes, Ca’Rezzonico, que alberga um museu de arte do século XVIII. Na margem oposta, ergue-se o edifício de mármore branco do Palácio Grassi, o Museu de Arte Contemporânea da cidade, que ocupa uma parte do Campo de San Samuele. Um terceiro palácio imprescindível encontra-se na mesma praça: o de Malipiero, em cujas salas Giacomo Casanova seduziu dezenas de damas.

Rumamos de novo ao Rialto, cruzamos praças encantadoras como Santa Margarida, São Pantaleão e São Tomás até sair no Campo San Polo. Este é o coração do bairro onde vive o comissário Guido Brunetti, a personagem criada pela americana Donna Leon, que reside em Veneza há décadas. Todas as manhãs o polícia sai de sua casa e dirige-se até à ponte de Rialto, o seu local favorito para fazer uma paragem ao meio-dia e beber um copo de vinho branco acompanhado de um petisco num bar ou restaurante da zona. Mas Brunetti só toma café do outro lado da ponte de Rialto, no Campo de São Bartolomeu. A sua criadora vive nesta zona nas proximidades do animado Campo Santa Maria Formosa, não muito longe do conjunto arquitectónico da Basílica dei Santi Giovanni e Paolo e da Scuola Grande di San Marco, que alberga o hospital da cidade.

Corto Maltese, outra personagem célebre de ficção, também foi imaginado nesta zona. Na rua do Rio Terà dei Biri, encontra-se a Casa de Corto Maltese, o museu dedicado à personagem de banda desenhada criada por Hugo Pratt.

Estamos a poucas paragens do bonito bairro de Cannaregio, fragmentado por três canais paralelos e repleto de recantos sugestivos. A praça do Gueto judeu, a Fondamenta della Misericordia e o Campo de l’Abazia são os meus preferidos, embora muitos venezianos nos sugiram a rua da Corte Vecchia até à igreja da Madonna dell’Orto, que aparece no filme “Reviver o Passado em Brideshead” (2008), baseado num romance de 1945. Um final hollywoodesco, claro, para uma visita à Veneza literária e cinematográfica.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar