O ouro retirado do túmulo de Tutankhamon

Quando Tutankhamon foi sepultado cerca de 1322 a.C. no Egipto, o seu túmulo repleto de tesouros incluía duas carruagens douradas excepcionalmente ornamentadas. 

Texto A. R. Williams   Fotografia Christian Eckmann, Museu Central Romano-Germânico, Mainz, Alemanha; London Times/New York Times/Redux/National Geographic Creative

 

Os trabalhadores utilizaram uma padiola de madeira para retirar as peças do túmulo. Fotografia London Times/New York Times/Redux/National Geographic Creative.

Estes veículos destinavam-se aos desfiles e a outras ocasiões especiais. Foram exibidos no Museu Egípcio do Cairo pouco tempo depois de o arqueólogo Howard Carter ter descoberto os restos mortais do faraó adolescente em 1922. No entanto, as folhas de ouro que faziam parte da decoração de couro foram armazenadas.

Esta folha de ouro com 19,3 centímetros na parte recta é um dos cerca de cem artefactos em estudo. Fotografia Christian Eckmann, Museu Central Romano-Germânico, Mainz, Alemanha.

Os artefactos há muito negligenciados estão finalmente a chamar a atenção, na sequência do lançamento de um projecto alemão-egípcio para o seu estudo e restauro. Os especialistas estão intrigados com as cenas representadas nas placas. Esta peça (à esquerda), provavelmente parte da tampa da caixa de um arco de tiro, mostra um cão e um animal alado místico a atacar uma cabra selvagem. “Este não é um tema comum no Egipto”, diz Christian Eckmann, o especialista em metais do projecto. Ele e os colegas vão procurar pistas para perceber onde foi feita a peça artística, talvez na região da Síria, onde estes motivos eram comuns, ou no próprio Egipto, com desenhos vindos do exterior.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.