Invisuais já podem apreciar obras de arte

Para apreciar uma pintura, analisamos a cor, a composição e a luz. Mas como consegue um cego apreciá-la? 

Texto Natasha Daly   Fotografia Rebecca Hale   

 

Processamento da pintura por 3DPhotoWorks.

A resposta é óbvia: através do toque, um acto proibido nas galerias e museus de arte. 
Para solucionar este problema, John Olson, antigo fotógrafo e a sua equipa, processam pinturas em modelos 3D texturados, como esta versão do Retrato do Dr. Gachet de Vincent van Gogh.

As pinturas tácteis funcionam como representação da arte para os invisuais.

As pinturas tácteis funcionam como representação da arte para os invisuais, uma vez que não vemos apenas com os olhos: vemos com o cérebro. A investigação no campo da neuroplasticidade revelou que o córtex visual é estimulado pelo tacto. As pessoas cegas distinguem as formas com os restantes sentidos, um processo genericamente semelhante às pessoas que vêem.
Luc Gandarias tem agora 13 anos, mas cegou subitamente aos 7. Quando “sentiu” a versão 3D da Mona Lisa de Leonardo da Vinci, diz que se apercebeu imediatamente do seu sorriso, “Podia literalmente sentir aquilo que vocês vêem quando olham para o quadro.” Para Luc, isto significa independência. “A sensação de o conseguir ver e ter a minha própria opinião é como ultrapassar mais um obstáculo enquanto cego.”

 

 

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar