Os seres tenebrosos das antigas cartas de marear

Podem analisar-se os medos de uma cultura através dos mapas que esta produz?

Texto Gonçalo Pereira Rosa

“Livro de lisuarte de Abreu” (1563), AKG Images/ AIC

O historiador Paulo Lopes, da Universidade Nova de Lisboa, analisou a transição da Idade Média para o Renascimento na cartografia europeia e descobriu que, mesmo durante os Descobrimentos, a visão do Atlântico reflectia ainda a herança da Antiguidade, na qual o mar era o espaço de prodígios, uma extensão infinita de águas, repleta de leviatãs, sereias e dragões. No Mediterrâneo, navegava-se por referências – as conhecenças. No Atlântico, existia apenas um vazio, que levava a representações de um mundo fantástico, com criaturas fantasiosas e irreais (à direita).

Monstros marinhos no manuscrito madrileno (1460) da Geographia de Ptolemeu, Biblioteca Nacional de Espanha.

 Ao mesmo tempo, o encontro com o islão mercantil e as experiências iniciais e observações em primeira mão produziram outra forma de ver o mar. “A figura das ilhas, devedoras da tradição de Artur e das sagas nórdicas, torna-as repositórios do encanto que antes pertenceu ao deserto e à floresta”, escreveu o autor.

Mapa da Europa de Mercator (1572), Olaf Mokansky, Biblioteca da Duquesa Anna Amalia, Weimar, Alemanha.

A evolução da navegação produziu uma revolução de pensamento: “O terror do desconhecido tão caracteristicamente medieval dá lugar à curiosidade e à vontade de explorar esse desconhecido.” Esperar-se-ia que a cartografia acompanhasse com realismo um mundo mais palpável, mas outros medos emergiram: é no Atlântico que se encontram obstáculos geográficos terríveis, as tempestades, as noites no mar. E a cartografia europeia só se libertaria desse peso do fantástico em pleno século XVII.

Atlas de Monte (1590), Biblioteca do Seminário Arcebispal de Milão, Venegono Inferior (VA).

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar