Segredos dos guerreiros de terracota

Em 1974, ao escavarem um poço perto da antiga cidade chinesa de Xianyang, agricultores puseram a descoberto estranhas figuras de terracota.

Texto A. R. Williams   Ilustração Daisy Chung e Andrew Umentum; Manyun Zou. 

Escavações posteriores revelaram um exército virtual de guerreiros, presumivelmente destinado a proteger eternamente o primeiro imperador da China, Qin Shi Huang, após a sua morte em 200 a.C. Na verdade, um relato datado de 89 a.C. não menciona as figuras. Em contrapartida, descreve o facto de o novo  imperador ter mandado sacrificar as concubinas para serem enterradas com o defunto (7) e refere o enterramento de artesãos para os impedir de relatar o faustoso sepultamento que tinham criado. Estaria aquele historiador errado?

Talvez não. Nos últimos 40 anos os arqueólogos descobriram vários sepultamentos em massa no complexo funerário do imperador (uma área de 56 quilómetros quadrados que se encontra parcialmente ilustrada em baixo. Para aumentar clique na imagem).

 

1 - Estábulos e cavalos; 2 - Área de ofertas sacrificiais; 3 - Área de afeiçoamento de pedra;  4 - Palácios secundários; 10 - Muralha exterior: as muralhas do complexo foram construídas com camadas comprimidas de solo; 11 - Vala comum: um dos muitos filhos do imperador assassinou os irmãos para ascender ao trono. Esses membros da realeza podem estar aqui sepultados. Os esqueletos são sobretudo do sexo masculino; 12 -  Área de Sepultamentos dos operários, nomeadamente artesãos e operários que morreram ao longo dos 36 anos da construção deste complexo e que aqui foram sepultados. Alguns foram identificados através de um fragmento de cerâmica (com inscrição de nome, posto e região de origem) que lhes servia de lápide.

O local de descanso final do imperador permanece intocado No túmulo do imperador, os registos históricos referem que Qin Shi Huang criou uma réplica do seu reino para a sua morada final. Os arqueólogos ainda não escavaram este ponto, temendo que a exposição possa danificar o espólio. O monte construído sobre o túmulo tem uma altura inferior à descrita nos registos históricos. Não chegou a ser acabado ou é resultado da erosão? (6). À luz destas descobertas, é plausível que a câmara mortuária possa incluir um féretro de bronze, réplicas de palácios, rios de mercúrio e “utensílios raros e objectos maravilhosos” como está descrito no texto do século I a.C.

Mas houve mais descobertas adicionais: as escavações revelaram muitos poços no interior e exterior do complexo muralhado. Foram também descobertas carruagens de bronze (5), armaduras de pedra (9) e acrobatas de terracota (8) junto dos restos mortais de cavalos verdadeiros e outros animais.
 

O exército de terracota - Estima-se que oito mil estátuas de guerreiros foram acomodadas em três poços a 1.500 metros do túmulo do imperador. Muitas figuras estão orientadas para leste, a direção mais provável de um ataque.

Fontes: Zhang Weixing e Xiuzhen Li, Departamento de Arqueologia, Museu do Sítio Arqueológico e Mausoléu do imperador Qin Shi Huang; Roberto Ciarla, “Giuseppe Tucci”; Museu Nacional de Arte Oriental 

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar