Dois albatrozes aninham-se na sua colónia na Geórgia do Sul. É uma belíssima imagem a preto e branco que pertence ao livro do projecto “Genesis”. Em 32 países e durante oito anos, Salgado documentou “o que ainda é prístino… o que devemos manter e proteger”. 

Tim Samaras e a sua equipa apressam-se a posicionar uma câmara de filmagem sobre o trilho de um tornado no Dakota do Sul, em 2003. A sua investigação fez avançar os nossos conhecimentos sobre os tornados. A sonda de Tim registou uma queda de 100 milibares na pressão atmosférica, a mais drástica descida captada até essa época.

O mercado central da cidade de Djibuti é completamente frenético. Os autocarros trazem migrantes que, numa geração, deixaram de ser pastores pré-modernos, transformando-se em trabalhadores ambiciosos nesta cidade com 500 mil habitantes.

O Parque dos Macacos Jigokudani, ou “Vale do Inferno”, no Japão, é famoso pelas suas águas termais quentes. Para os primatas aqui reunidos, o paraíso só chega quando as temperaturas são negativas.

A acção decorre no Parque Transfronteiriço Kgalagadi, numa imagem captada na África do Sul. Através da poeira do leito de um rio seco, um grifo-de-dorso-branco-africano avança sobre a carcaça de um antílope. As asas abertas da ave ajudam-na a parecer mais ameaçadora perante os abutres rivais.

Em teoria, os glaciares avançam e recuam a um ritmo… glaciar. E, agora, estão mesmo a recuar. Mesmo à nossa frente. Quando James Balog fotografou pela primeira vez o glaciar Colúmbia, no Alasca, em 2006, a sua vertente recuara quase 18 quilómetros desde 1980.

O olhar dos nossos leitores mostra-nos uma visão do mundo muito pessoal. Conheça as nossas escolhas deste mês.

No golfo de São Lourenço, abunda tudo o que reluz, morde e flutua.. Na imagem, uma cria de foca nascida no gelo, espreita por baixo da superfície junto às ilhas Madelein, no Quebeque.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar