Uma imagem do monólito Torre do Diabo, nos Estados Unidos, funciona apenas como anúncio sem palavras para uma empresa de mobiliário do Dakota do Sul. O artista local Norman Blue Arm pintou o mural na porta da garagem da empresa.

Um belo circuito para bicicletas em forma de anel com 360 graus, bastante elevado sobre a estrada. Eis a resposta da cidade holandesa de Eindhoven aos congestionamentos de tráfego.

Na Rússia, um arco-íris de argolas rodeia Svetlana Pavlova, dançarina de um circo itinerante de artistas anões que se auto-intitulam a Luz das Pequenas Estrelas.

Nas florestas do Gabão, cientistas portugueses financiados pela National Geographic procuram mais peças para o puzzle da evolução. Darwin descreveu o mandril como o mais colorido de todos os mamíferos, pois as cores vibrantes da face variam com a sua excitação. Hoje sabemos que as fêmeas preferem os machos mais coloridos.

Fogo-de-artifício parece atravessar a Lua cheia na data de 3 de Julho de 2012, véspera das comemorações do Dia da Independência em Kansas City, EUA.

Recuperando dos danos provocados pela guerra civil, a Gorongosa enfrenta agora um novo desafio: a desflorestação da sua montanha sagrada. Na imagem, rapazes locais capturam rãs e libelinhas em redor da queda de água de Murombodzi, na serra da Gorongosa, durante o Bioblitz de 2011. Neste evento, recolheram-se amostras de vida selvagem.

Em 1947, num espectáculo de sereias nas nascentes de Weeki Wachee, várias beldades nadavam no meio de ramagens de Vallisneria L. Agora, as algas alimentadas pelo azoto oriundo das explorações agrícolas e dos relvados expulsam a flora autóctone. 

O canguru Anzac e o vombate Peggy, com cerca de cinco meses cada, estão aconchegados no Centro de Resgate de Animais Selvagens Wildabout em Kilmore, Austrália. As progenitoras foram atropeladas, mas as autoridades esperam poder devolvê-los à natureza.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar