O canguru Anzac e o vombate Peggy, com cerca de cinco meses cada, estão aconchegados no Centro de Resgate de Animais Selvagens Wildabout em Kilmore, Austrália. As progenitoras foram atropeladas, mas as autoridades esperam poder devolvê-los à natureza.

Os anangu chamam a este monólito de arenito Uluru e crêem que foi criado pelos seus ancestrais. Os europeus rebaptizaram-no como Ayers Rock em 1873, mas o nome foi de novo mudado para Uluru em 1985.

Na Rússia, um arco-íris de argolas rodeia Svetlana Pavlova, dançarina de um circo itinerante de artistas anões que se auto-intitulam a Luz das Pequenas Estrelas.

A bela vila de Skrova orgulhava-se, em 1980, de possuir a maior percentagem de milionários da Noruega, graças às fábricas de produtos de peixe e da sua central baleeira. Agora, resta apenas uma fábrica.

O olhar dos nossos leitores mostra-nos uma visão do mundo muito pessoal. Conheça as nossas escolhas deste mês.

Recuperando dos danos provocados pela guerra civil, a Gorongosa enfrenta agora um novo desafio: a desflorestação da sua montanha sagrada. Na imagem, rapazes locais capturam rãs e libelinhas em redor da queda de água de Murombodzi, na serra da Gorongosa, durante o Bioblitz de 2011. Neste evento, recolheram-se amostras de vida selvagem.

O trânsito entope Hillary Step no dia 19 de Maio de 2012. 

Como todos os mamíferos marinhos, os manatins nadam junto à superfície para poderem respirar. Utilizam as suas cerdas faciais rígidas para conduzir os alimentos à boca. Neste momento, o manatim da Florida prospera na baía Kings, tal como o turismo e, na realidade, o problema é mesmo esse.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar