Junte-se à comunidade de fotografia da Revista National Geographic Portugal no Facebook e partilhe as suas melhores imagens. 

Participe também.

Do leitor

Autor: Jorge Maria, engenheiro mecânico, e Catarina Freitas, engenheira de ambiente

Onde: Tetamanu, ilha de Fakarava, arquipélago das Tuamotu, Polinésia Francesa

Em Março de 2015, Catarina, Jorge e os seus três filhos embarcaram numa aventura: decidiram velejar pelo mundo a bordo do El Caracol. Tudo começou em Santa Lúcia (Antilhas) sem grandes planos, até porque a experiência de estar num espaço tão pequeno era reduzida. Exploraram vagarosamente as ilhas das Caraíbas durante um ano e meio, seguindo depois para o Panamá, atravessando o canal em 2017. Nesse ano, fizeram uma travessia de 29 dias no oceano Pacífico até chegarem à Polinésia Francesa. Sempre em busca dos locais remotos e afastados dos roteiros, a tripulação viveu uma experiência inigualável na pequena vila de Tetamanu, no arquipélago das Tuamotu em Novembro de 2017. “É um local conhecido pela presença constante de centenas de tubarões”, conta Catarina. “Mal chegámos ao ancoradouro, uma mancha de peixes aproximou-se do El Caracol para investigar. Atrás dos peixes, vieram alguns tubarões-cinzentos curiosos com tanto movimento. Apesar de territorial, esta espécie não é agressiva para os humanos, de tal maneira que saltámos para a água.” Acompanhe a viagem em www.entretantoabordo.com

do leitor 

Autor: Adérito Valentim, software developer, natural da Figueira da Foz 

Onde: Carrasqueira, Alcácer do Sal

Testemunho do engenho e arte da arquitectura popular, o cais palafítico da Carrasqueira, no concelho de Alcácer do Sal, é um dos locais mais visitados pelos fotógrafos. Quase sete décadas depois da sua construção, mantém a função de permitir o acesso dos pescadores às suas embarcações, mesmo durante a baixa-mar.
O fotógrafo adquirira recentemente um drone e mostrava-se desejoso de o testar. Transportou o engenho para a Carrasqueira e ficou abismado com as linhas do local, vistas da perspectiva de uma ave. “Ao passearmos ao longo do cais, ficamos com a sensação de estarmos num pequeno labirinto. Visto de cima, porém, este tem uma estrutura mais simples e geométrica, quase semelhante às marcações de um estacionamento em espinha””, diz o autor.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar