A Sua Foto Agosto 2017

Seleccionámos este mês quatro imagens afixadas pelos leitores no grupo português de discussão da revista no Facebook. Participe também.

Numa noite de Lua nova, com condições ideais para observar e fotografar o céu, o fotógrafo José Ramos, daAmadora, rumou ao Alentejo, “uma das melhores zonas da Europa para fotografar a Via Láctea”. Para “aquecer” a cor do feixe de luz, aplicou light painting à paisagem com uma lanterna Led Lenser L7 com filtro amarelo. Após quinze tentativas, “consegui o resultado que pretendia, revelando o céu majestoso, mas também a beleza minimalista da paisagem circundante”, conta.

 

Semanas depois da tragédia que enlutou o país, o autor deslocou-se à área ardida do incêndio de Pedrógão Grande para ajudar animais perdidos e doentes. Entre uma vasta superfície de paisagem triste e enegrecida, descobriu que a vida já estava novamente a rebentar. “Foi uma forma de a natureza nos demonstrar a força que tem e ao mesmo tempo um sinal de esperança, mostrando que tudo pode ter um recomeço”, explica o fotógrafo Pedro Abranches Mateus, de Cabanas de Viriato.

 

A neblina faz parte das ilhas como uma segunda natureza. O autor Pedro Vaz de Carvalho, de Ponta Delgada, desejava captar o “momento de formação das nuvens e do nevoeiro” quando este começa a invadir a caldeira das Sete Cidades na ilha de São Miguel. Na Serra Devassa, testemunhou como o nevoeiro galopa por caminhos e campos, “mergulhando pelas encostas destas montanhas e inundando todos os recantos do vale ao pôr do Sol”. A imagem captou o momento.

 

O mundo da fotografia macro é como uma quarta dimensão – objectos e formas ganham outras interpretações possíveis. Por brincadeira, o fotógrafo Hélder Quintas, de Bragança, jogou com a escala de uma situação em que a miniatura interage com os objectos físicos, criando uma ponte natural em cima de uma mesa vulgar.

 

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar