As aranhas da família salticidae possuem oito olhos, que lhes permitem uma visão de 360 graus. As retinas dos seus olhos ajudam-nas a calcular distâncias. Estes pequenos predadores conseguem saltar numa extensão dez vezes superior ao seu tamanho.

Principal entrada de luz na gruta do Algar do Carvão, na ilha Terceira, nos Açores, esta chaminé, colonizada por vegetação ao longo dos primeiros 20 metros, apresenta uma insuperável riqueza de espécies hepáticas, musgos e plantas vasculares. Em algumas poças de água fria, proliferam diatomáceas.

Na baía de Cenderawasih, na indonésia, a boca gigante de um tubarão-baleia abre-se para mais uma refeição. Os pescadores locais acreditam que esta espécie lhes dá sorte e por isso deixam as redes cheias com peixe para isco, mantendo assim os tubarões na baía durante todo o ano.

Esta imagem da galáxia espiral NGC 1300, obtida pelo Hubble, está impregnada de pormenores: estrelas azuis jovens e luminosas, faixas de poeira espiralando em redor do núcleo brilhante, galáxias distantes em irradiação ao fundo. “Podemos perder-nos nela”, diz Zoltan. Muitos já o fizeram. 

Passado e presente aproximam-se na moderna Seul, na Coreia da Sul.Uma jovem mulher enverga um hanbok, traje arcaico reconhecível pelas suas cores vibrantes. A escultura simboliza o importante papel que o peixe ocupa na gastronomia coreana. 

Dario González e o seu filho Carlos pertencem a um grupo chamado los diablos, da comunidade quechua que vive na província de Jujuy (Argentina). Acreditam que o diabo tem o poder de curar e proteger.

Os lémures têm origem num dos mais antigos ramos da árvore geneológica dos primatas: os seus antepassados viveram no Eocénico há 55 milhões de anos. Evoluíram durante milhares de anos, modificado comportamentos e refinando os sistemas sociais. E fique a saber que, se um macho desagradar a uma fêmea, ela pode empurrá-lo, esbofeteá-lo e até arrancar-lhe pedaços de pêlo.

Uma família banqueteia-se rodeada de peixes no Mundo do Oceano Polar Tianjin Haichang, na China. Esta estrutura tem 46 metros de comprimento e é feita de vidro acrílico com 12 centímetros de espessura. Alberga 50 espécies de peixes, incluindo tubarões e garoupas. 

Crianças brincam nas fontes do Parque Teddy, em Jerusalém, que recebeu o nome em homenagem a Teddy Kollek, presidente da autarquia de 1963 a 1993. Os jactos de água reciclada dançam ao ritmo das luzes e da música. 

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar