Na Rússia, um arco-íris de argolas rodeia Svetlana Pavlova, dançarina de um circo itinerante de artistas anões que se auto-intitulam a Luz das Pequenas Estrelas.

O trânsito entope Hillary Step no dia 19 de Maio de 2012. 

Noutros tempos alvo de caça generalizada devido ao elevado valor da sua pele, o caimão-jacaré do Brasil foi protegido e as suas populações estão agora a recuperar. 

Recuperando dos danos provocados pela guerra civil, a Gorongosa enfrenta agora um novo desafio: a desflorestação da sua montanha sagrada. Na imagem, rapazes locais capturam rãs e libelinhas em redor da queda de água de Murombodzi, na serra da Gorongosa, durante o Bioblitz de 2011. Neste evento, recolheram-se amostras de vida selvagem.

Os anangu chamam a este monólito de arenito Uluru e crêem que foi criado pelos seus ancestrais. Os europeus rebaptizaram-no como Ayers Rock em 1873, mas o nome foi de novo mudado para Uluru em 1985.

A imagem de microscópio electrónico com cores realçadas mostra uma espécie de tardígrado com meio milímetro de comprimento sobre musgo. Estes invertebrados de oito patas com aspecto alienígena podem sobreviver à pressão extrema, à radiação, às altas temperaturas e a anos de jejum.

A bela vila de Skrova orgulhava-se, em 1980, de possuir a maior percentagem de milionários da Noruega, graças às fábricas de produtos de peixe e da sua central baleeira. Agora, resta apenas uma fábrica.

Como todos os mamíferos marinhos, os manatins nadam junto à superfície para poderem respirar. Utilizam as suas cerdas faciais rígidas para conduzir os alimentos à boca. Neste momento, o manatim da Florida prospera na baía Kings, tal como o turismo e, na realidade, o problema é mesmo esse.

Em Kamchatka, a lava flui com tamanha velocidade que parece água e remodela toda a paisagem a cada nova erupção vulcânica.  Uma corrente de lava flui do vulcão Plosky Tolbachik e contorna um novo cone de escórias.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar