Um albatroz consegue voar durante horas sem bater as asas, limitando-se a aproveitar a energia do vento imediatamente acima do oceano.

A velocidade do vento reduz por atrito com a superfície da água e recupera cerca de cinco metros acima dela. A ave aproveita esta dinâmica, subindo e descendo consoante as suas necessidades de navegação aérea.

Fotografia Maria Stenzel

albatroz

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar