Observado à escala real, este asilídeo parece pouco impressionante.

Ampliado, porém, já o caso muda de figura. Segundo o entomólogo Artur Serrano, do Centro de Biologia Ambiental da Universidade de Lisboa, “os representantes desta família são predadores exímios ‘de espera” de outros insectos. Colocam-se em locais estratégicos de passagem e, quando algum passa, a voar perto deles ‘picam’ e apanham-nos no ar.” Quem disse que as feras se medem aos palmos?

Fotografia Paulo Latães

PREDADOR

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar