Os vikings acreditavam que, após a morte, um barco os conduziria ao Além. Em Lindholm Høje, na Dinamarca, existe uma necrópole com alinhamentos líticos que representam cascos de navios.

Num laboratório da Universidade do Alasca, esquilos em hibernação suscitam a curiosidade médica. Durante a hibernação, que dura sete meses, o esquilo consegue descer a sua temperatura corporal abaixo do ponto de congelação, mas evita danos cerebrais graves.

Visto de cima, um pedaço de papel branco sem divisórias visíveis (dobrado na forma de um olho) contém 81 bailarinos do New York City Ballet. Esta imagem com 603 metros quadrados foi criada em colaboração com o artista francês JR.

Na aldeia de Kurtna, na Polónia, um pónei chamado Rainbow aquece-se ao sol do Inverno. O animal de quatro anos é descendente de um cavalo nativo estónio e de um pónei Shetland, duas raças conhecidas pela sua resistência e versatilidade.

Uma das primeiras estrelas do universo explode, rebentando o seu halo de matéria escura invisível e semeando o espaço com carbono, oxigénio e outros elementos. Esta simulação informática mostra que as estrelas poderiam nunca ter-se formado e certamente não o fizeram numa fase tão precoce, 100 milhões de anos após o Big Bang, sem a força gravitacional gerada pela abundante matéria escura.

Em Ponta do Ouro, no Sul de Moçambique, recifes saudáveis asseguram o regresso anual de cardumes de pequenos peixes pelágicos migradores, que atraem predadores como o venenoso peixe-leão.

Os bagualeros são vaqueiros que capturam gado de criação bravo. Na imagem, fazem uma pausa enquanto procuram vacas na península de Antonio Varas, na Patagónia chilena. Poucos homens escolhem a vida de bagualero - é uma vida bonita, mas dura.

O Norte de Santiago é um lugar de má memória para antigos presos políticos do Estado Novo. Indiferentes à história, os mais jovens mergulham nas águas cálidas da baía do Tarrafal. Mais a sul, estão também nas veredas verdejantes da serra da Malagueta ou de São Jorge dos Órgãos.

Uma jovem himba aplica ocre no cabelo de outra junto da margem de um rio no Noroeste da Namíbia. Valorizado pelo seu tom quente de vermelho, o ocre ainda é amplamente utilizado como ornamento.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.