Num laboratório do Observatório Terrestre Lamont-Doherty, da Universidade de Colúmbia, Debra Lee Magadini coloca uma lamela sob um microscópio e acende uma lâmpada ultravioleta.

E se um dia for possível carregar num botão e imprimir um novo nariz ou rim?
A ciência começa a explorar essa visão futurista, adaptando a tecnologia de impressão 3D à produção de órgãos humanos.

Cientistas na Suécia compraram rosas vulgares e electrificaram-nas, introduzindo-lhes circuitos nos tecidos vivos. 

Construído no séc. VI d.C. no sopé do monte Sinai, no Egipto, o mosteiro de Santa Catarina é a mais antiga instituição do mundo ainda em funcionamento. A sua biblioteca preserva centenas de manuscritos recolhidos durante a época medieval: textos clássicos, escrituras e outros documentos com interesse para os monges.

Todos os dias, centenas de mulheres morrem devido a complicações durante a gravidez ou no parto. Esta estatística reflecte problemas em todos os países, mesmo nos mais prósperos.

buracos negros

Para Albert Einstein, os buracos negros (estrelas colapsadas e tão densas que nem a luz conseguiria escapar do seu cativeiro) eram demasiado absurdos para serem reais. Einstein estava errado.

Visto ao microscópio, o sangue mostra que não é um simples líquido vermelho, mas muito mais do que isso.

Esqueça a raça. A ascendência é que conta uma história muito mais interessante.

As tecnologias modernas para combater o cancro baseiam-se numa ideia centenária: conduzir o sistema imunológico do corpo contra os tumores.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar