Uma potencial colecção de paisagens do outro mundo.

Fotografias: Ernie Button

Texto: Daniel Stone 

O resíduo depositado num copo vazio de whisky pode revelar incríveis cenas celestiais. Ao lavar louça certo dia, o fotógrafo Ernie Button descobriu um universo de fantasia que durou décadas. Quando colocava um copo de whisky vazio na máquina de lavar, Ernie reparou no resíduo fino que tinha ficado no fundo do copo de uma bebida alcoólica evaporada – mais especificamente o Scotch, nome dado na Escócia ao whisky envelhecido durante pelo menos três anos em barris de carvalho. Quando as últimas gotas de álcool secam, deixam as borras da destilação do whisky. Ernie levou o copo para o estúdio, deitou-o e começou a fotografá-lo.

Os padrões das borras do whisky são agora parecidos com flocos de neve, cada qual com um design singular. Todos são cinzento-claros até Ernie os iluminar com filtros de várias cores. As linhas cinzentas e os remoinhos ganham vida e tornam os desenhos resultantes em paisagens coloridas que evocam luas e planetas. “Penso nisto como um espectáculo”, diz ele. Por tentativa e erro, Ernie descobriu que só o whisky escocês acumula sedimento suficiente. O mais antigo que já fotografou envelhecera durante 25 anos, mas esse envelhecimento tão apreciado pelos consumidores não se traduziu em diferenças significativas na fotografia.

Ao contrário de fotógrafos que captam cenas épicas em locais exóticos, Ernie olha para dentro e mantém-se no local. Antes de se dedicar à fotografia de bebidas alcoólicas, ele criou paisagens com caixas de cereais e documentou o desaparecimento dos carrinhos de supermercado que requeriam moedas para funcionar.
O trabalho de Ernie Button prova que existem facetas incríveis no quotidiano… Mesmo na louça suja.  

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar