Índice do artigo

 A Terra está bem equipada como planeta e ocupa uma posição ideal no nosso Sistema Solar e galáxia para suportar a vida tal como a conhecemos. Resultado de cerca de 4.600 milhões de construção cósmica, a vida no nosso planeta fervilha graças a um conjunto fortuito de condições, desde a composição química ideal do nosso núcleo planetário à distância segura face ao buraco negro que se esconde no coração da nossa galáxia.

Texto: Manuel Canales, Matthew W. Chwastyk e Eve Conant

Nem todos os planetas possuem as condições necessárias para suportar a vida tal como a conhecemos. Embora se tenham formado oito planetas no Sistema Solar, a Terra é o único no qual sabemos ter surgido e prosperado a vida.
A combinação dos ingredientes certos, no sítio exacto, em redor de uma estrela grande, parece ser fundamental para criar um mundo com vida.

1, O planeta recicla carbono, substância necessária à vida

O dióxido de carbono é um de vários gases com efeito de estufa que retêm o calor e mantêm a superfície hospitaleira para a vida. As superfícies de Vénus e Marte mantêm o carbono retido na atmosfera e nas rochas. Durante milhões de anos, a Terra circulou este elemento vital através da sua atmosfera, solo e oceanos devido à acção das placas tectónicas.

2, A camada de ozono que bloqueia os raios nocivos

Organismos ancestrais semelhantes a plantas nos oceanos acrescentaram oxigénio à atmosfera e criaram uma camada de ozono que protegeu as espécies terrestres primitivas de radiações mortais.

3, Uma Lua para estabilizar as oscilações do nosso eixo

A Terra está inclinada em relação ao Sol e balança enquanto gira. Esta minúscula oscilação pode alterar o clima, de quente para gelado, a cada 41 mil anos e poderia variar ainda mais sem a força de atracção estabilizadora da Lua.

4, Superfícies diversificadas suportam muitas formas de vida

Os efeitos dramáticos das placas tectónicas formaram diferentes habitats e terrenos à superfície, estimulando a adaptação, ajudando a vida a diversificar-se e a sobreviver a várias extinções em massa.

5, O campo magnético desvia as tempestades solares

Desencadeadas por partículas carregadas vindas do Sol, as auroras hipnotizantes são um lembrete visual do nosso campo magnético, que desvia a maior parte da radiação nociva emitida pela nossa estrela e pelas erupções solares.

6, A distância certa do Sol

A Terra orbita na denominada zona habitável (Goldilocks): nem demasiado perto nem demasiado longe do Sol para que exista água em estado líquido à superfície.

7, Uma distância segura dos gigantes gasosos

Se as órbitas dos maiores planetas do Sistema Solar fossem mais próximas, a força exercida pela sua poderosa gravidade poderia provocar flutuações desastrosas na distância entre a Terra e o Sol.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar