Conheça o interior da Lua

Quando os astronautas das missões Apollo visitaram a Lua não perfuraram mais do que três metros. No entanto, os instrumentos que lá deixaram ainda nos ensinam muito sobre a vida do nosso vizinho celeste. 

Texto Luna Shyr   Gráfico Sean McNaughton

1 - Manto (Profundidade: 40Km; Conteúdo: inclui olivina, peridotito e granada; Temperatura: 1327 ºC).
2 - Zona de fusão parcial (Profundidade: 1255Km; Conteúdo: peridotito e mistura de silicatos; Temperatura: 1377 ºC).
3 - Parte externa do núcleo (líquida) - (Profundidade: 1410Km; Conteúdo: liga de ferro líquida; Temperatura: 1427 ºC).
4 - Parte interna do núcleo (sólida) - (Profundidade 1495Km; Conteúdo: liga de ferro sólida; Temperatura: 1437 ºC).
Gráfico Sean McNaughton. Arte: Hernán Cañellas. Fonte: Renee C. Weber, NASA.

A mais recente análise dos dados sísmicos recolhidos há quatro décadas confirma que, nas profundezas deste satélite frio e seco, existe um núcleo quente e líquido.
“O núcleo fundido revela bastante sobre a evolução da Lua”, diz Renee Weber, da NASA, que estuda os dados recolhidos entre 1969 e 1977. A potência dos computadores modernos permitiu a Renee e aos colegas avaliar a informação sobre os sismos lunares de grande profundidade. Tal como a Terra, a Lua tem um centro composto por camadas líquidas e sólidas. A mais interior é quente, mas sólida, devido à pressão intensa. Enquanto o núcleo terrestre é dinâmico, dando origem a placas tectónicas, actividade vulcânica e um campo magnético, pensa-se que o núcleo lunar terá estagnado.

Segundo os dados sísmicos das missões Apollo, o núcleo lunar tem um volume cerca de 60% líquido. A crosta é irregular devido ao choque de meteoritos contra a superfície.

O líquido na parte externa do núcleo indica que a Lua poderia estar inteiramente fundida quando se formou há 4.500 milhões de anos. “Embora a Terra e a Lua se tenham formado em alturas semelhantes, a Lua é mais pequena, perdendo calor e energia mais depressa.” No passado, o núcleo lunar poderá ter sido dinâmico, revelam amostras da superfície trazidas pelos astronautas.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar