Passa pouco das nove horas e trinta minutos da manhã no coração dos Pitões das Júnias, no Parque Nacional da Peneda-Gerês. O nevoeiro é cerrado, mas, mais tarde, é-se recompensado com o alistamento de cabras-monteses que encontram aqui o seu refúgio.

Numa tabela dos piores sons, qual escolheria? 

As rãs da espécie Chiromantis xerampelina dão um novo sentido à expressão “sexo em grupo” e isso ajuda-as a prosperar. 

Com mais de metade da população mundial concentrada em áreas urbanas, as megacidades no século XXI são um turbilhão de energia e seres humanos. 

O criador do mapa destacável que acompanha a reportagem de capa deste mês é Fernando G. Baptista, um ilustrador nascido em Bilbau e editor-sénior do Departamento de Ilustração e Infografia da National Geographic.

Em 2016, muitos pais ficaram radiantes quando constataram que os filhos abandonavam o sofá para correrem na rua à caça de criaturas imaginárias.

Passamos sobre eles centenas de vezes, mas não damos conta de que, por baixo do solo portuense, correm mananciais construídos em terreno granítico que permitiram, durante séculos, o abastecimento das fontes e chafarizes para o consumo de água. 

Pela primeira vez, é possível sugerir zonas sob jurisdição norte-americana para novas áreas marinhas protegidas. 

O avião atinge a altitude de cruzeiro e os assistentes de bordo movimentam-se no corredor, tomando nota dos pedidos de bebidas. De repente, a sugestão de um sumo de tomate parece deliciosa. Será apenas um desejo súbito?

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.